Perfil de personagem: Hazel Grace Lancaster

A Hazel é uma personagem do livro A culpa é das estrelas do John Green. Ela tem 16 anos, olhos verdes, pele clara e cabelo curto. Ela é uma leitora voraz, adora o reality show America’s Next Top Model e seu livro favorito é Uma Aflição Imperial e considera o autor, Peter Von Houten, seu terceiro melhor amigo. A Hazel tem câncer de tireoide com metástase nos pulmões e é uma paciente terminal. Ela vive em Indianópolis, é inteligente, tem ideias afiadas e uma sensibilidade própria.

“– Você é tipo uma Natalie Portman milenar. Tipo a Natalie Portman em V de Vingança.” – Augustus Waters

A Hazel foi diagnosticada com câncer na tireoide em estágio avançado aos 13 anos e seu quadro inclui metástase nos pulmões. Ela passou por uma cirurgia, radioterapia e então quimioterapia, mas não conseguiu resultados satisfatórios. Contrariando as expectativas iniciais dos médicos, aos 14 anos, devido a um remédio experimental, seus tumores nos pulmões diminuíram e desde então ela vive com doses diárias desse medicamento, o falanxifor, tanques de oxigênio, uma espécie de carrinho com rodas e cânulas no nariz.

Hazel

Ela é uma personagem que não quer ser definida pela sua doença. Ela não fica remoendo o fato de estar doente e também não mergulha em autopiedade. Ela é alguém forte, sarcástica, passional, carismática, tem um humor peculiar, trata a doença com despretensão e é muito realista, ela sabe que está doente e que irá morrer mais cedo do que as outras pessoas. Para ela não existe realmente esperanças, somente a certeza de que 1º) Ela irá morrer logo e 2º) Ela deixará pessoas tristes quando isso acontecer. No entanto, por trás das tiradas sarcásticas é possível perceber tristeza e angústia em certos momentos.

“Alguns infinitos são maiores que outros (…) Há dias, muitos deles, em que fico zangada com o tamanho do meu conjunto ilimitado. Queria mais números do que provavelmente vou ter…”

Continue lendo »

Perfil de personagem: Augustus Waters

A culpa é das estrelas

O Augustus é um personagem do livro A culpa é das estrelas do John Green.

O Gus tem 17 anos, é alto, magro, mas musculoso, atraente e tem um sorriso fácil. Ele tem olhos azuis intensos e cabelo acaju, liso e curto. Ele vive em Indianópolis no estado de Indiana e é inteligente, gosta de video games, livros e música e é um grande amante das metáforas. Ele está  em remissão há mais de um ano de um osteossarcoma, câncer que afeta os ossos, – Ele agora é um SEC, sigla para “sem evidência de câncer”. – e que o levou a amputar a perna direita, fazendo-o usar uma prótese no lugar.

O Gus jogava basquete quando era mais jovem antes de ser diagnosticado com câncer e ele sempre está com um maço de cigarros. Ele coloca o cigarro na boca, mas não o acende. É uma das suas metáforas, ele coloca o que pode matá-lo na boca, mas não dá o poder para que o mate. Ele tem pensamentos existencialistas, frases inteligentes, dirige muito mal e foi reprovado três vezes no teste de direção. Ele estuda na North Central, mas está um ano atrasado, porque deu uma pausa quando estava no segundo ano.

Augustus

Ele conhece a Hazel num grupo de suporte a crianças com câncer em que ele vai a pedido do seu amigo Isaac, que teve um câncer ocular, e ela atrai a atenção dele imediatamente. Eles rapidamente se tornam amigos e quando estão juntos têm ótimos diálogos, reflexões interessantes – Algumas vezes sobre a vida, a morte e o esquecimento. – e conversas perspicazes que evidenciam a grande afinidade e intimidade que eles passam a ter. A relação deles é muito natural e eles se ajudam, se apoiam e se entendem de uma forma única.

“Estou apaixonado por você e não quero me negar o simples prazer de compartilhar algo verdadeiro. Estou apaixonado por você, e sei que o amor é apenas um grito no vácuo, e que o esquecimento é inevitável, e que estamos todos condenados ao fim, e que haverá um dia em que tudo o que fizemos voltará ao pó, e sei que o sol vai engolir a única Terra que podemos chamar de nossa, e eu estou apaixonado por você.” – Augustus Waters.

Augustus

O Gus é apaixonante, muito adorável e extremamente carismático. Ele é irônico, bem humorado, energético, sensível, um grande amigo e uma pessoa essencialmente boa. Ele gosta do filme V de vingança, da Natalie Portman, da banda The Hectic Glow, do jogo de video game Counterinsurgence – O preço do alvorecer e dos livros baseados no jogo, que incluem O preço do alvorecer e Réquiem para Mayhem. Ele também gosta muito do livro Uma aflição imperial, que a Hazel indica para ele ler, e fica, assim como ela, curioso para saber a continuação dele, já que este termina abruptamente.

O maior medo do Gus é o esquecimento, dele e do que ele representou enquanto vivo. Ele quer passar pela vida com algum significado, ele deseja deixar uma marca para que então as pessoas se lembrem dele. Ele tem medo de ser apenas mais uma vítima esquecida na guerra milenar contra a doença. E por isso muitas vezes ele não percebe que já afetou a vida de outros personagens e que para pessoas como a Hazel e o Isaac ele já é um herói. E todos os três tratam o câncer com uma dose de humor negro. Em muitas de suas conversas estão presentes zombarias e piadas sobre si mesmos, o que eles já tiveram que passar e o que ainda terão.

Augustus

Gus é um personagem espirituoso e acho que ele se daria bem com o Étienne St. Clair de Anna e o beijo francês e com o Dash de Dash and Lily’s book of dares, pois eles são personagens simpáticos, inteligentes e carismáticos e possuem características particulares que acho que os tornariam bons amigos do Gus como, por exemplo, o jeito descolado e intelectual do Dash.

O livro teve seus direitos adquiridos pela Fox 2000 e para interpretar o Augustus acho que teria que ser um ator capaz de entregar na sua performance profundidade, sarcasmo espirituoso e diálogos rápidos de forma natural, além de poder caminhar do bom humor para algo mais intenso sem cair no melodrama. Algumas opções citadas por fãs para o papel são Grant Gustin, Logan Lerman e Freddie Highmore. Acho que Callan McAuliffe e Travis Caldwell também poderiam ser opções.